LAM (UFPEL) - Laboratório Multilinguagens




O LAM na UFPel: criação e consolidação



O LIFE – Programa de Apoio a Laboratórios Interdisciplinares de Formação de Educadores é um programa elaborado pela CAPES em cujo edital, é previsto que

os projetos selecionados receberão recurso de capital para a aquisição de bens e materiais permanentes, destinados à criação de laboratórios Interdisciplinares de Formação de Educadores ou reestruturação de laboratórios e outros espaços já existentes na IPES ou em seus campi, visando transformá-los em laboratórios Interdisciplinares que proporcionem o atendimento das necessidades de formação de diferentes cursos de licenciaturas implantados nas IPES, considerando as características da sociedade contemporânea e as demandas de uma formação contextualizada e de qualidade. (CAPES, Edital 35/2012)


Em 2012, quando a UFPel aderiu ao LIFE, o fez por meio da Coordenadoria das Licenciaturas, órgão que reunia representantes de todas as licenciaturas da Universidade. Os colegiados dos representantes das licenciaturas decidiram pela proposição de três subprojetos de criação de laboratórios: Um proposto pelos cursos de Biologia e Química, juntamente com seus parceiros, um proposto pelo curso de Pedagogia, juntamente com seus parceiros, e outro pelos cursos de licenciatura a distância da UFPel: Matemática, Pedagogia, Educação do Campo, Espanhol, juntamente com os cursos presenciais de História e Filosofia. Este último subprojeto denominou-se Laboratório Multilinguagens – LAM/LIFE.

O programa LAM comporta projetos de extensão para os professores da rede pública, para estudantes dos cursos das licenciaturas envolvidas e como laboratório de pesquisas em ensino das diferentes áreas, bem como apoio aos programas de licenciatura da CAPES e projetos de ensino voltados aos cursos envolvidos.

A proposta submetida para o Edital 35/2012 afirmava que o subprojeto do LAM possui caráter interdisciplinar, pois visa promover oficinas didáticas, produção de material de apoio pedagógico, orientação de alunos e docentes das redes pública e privada, espaço para pesquisa em desenvolvimento infantil, do raciocínio lógico-matemático nos diferentes níveis de ensino, da relação com os processos de aprendizagem de língua estrangeira, bem como nos processos que envolvam as linguagens artísticas, visuais, teatrais, musicais, de espaço e tempo, ambientais, místicas, filosóficas, históricas, poéticas, corporais, matemáticas, experimentais, verbais e não-verbais, e se justifica pela necessidade de levar a experimentação para a sala de aula, como um recurso de ensino e aprendizagem que vise a compreensão dos conceitos e produção de significados a partir da ação, da experimentação e da reflexão sobre o fazer.  Assim, os projetos de ensino, pesquisa e extensão criados no âmbito do LAM buscam dar contas destas propostas e impactar nas diferentes realidades com as quais trabalha.


O LAM (Laboratório Multilinguagens) é um projeto criado em 2011 que aderiu ao programa LIFE da Capes, nesse ano ele contava apenas com os cursos a distância, posteriormente (2012) agregou mais duas licenciaturas na modalidade presencial. Dentro dele foi constituído o Programa de Extensão Laboratórios Multilinguagens (LM) que agrega todos os projetos ligados ao LAM, envolvendo ações em pesquisa, ensino e extensão. Dentre todos esses projetos podemos destacar os projetos e ações a seguir.

Com a necessidade de atender as singularidades dos cursos a distância a equipe do LAM resolveu criar um projeto de ensino denominado Laboratório Virtual Multilinguagens (LVM), que é um portal no qual são disponibilizadas oficinas gravadas em vídeo e de forma textual a respeito de ferramentas de ensino e aprendizagem. O LVM, até o final de 2015 contava com 42 oficinas de ensino gravadas, sendo 1 da área de História, 30 da área de Matemática e 11 para os Anos Iniciais, interdisciplinares. Participam deste projeto estudantes dos cursos de Computação, Cinema, Design e das Licenciaturas proponentes do projeto. As redes sociais são a forma mais comum de divulgação destes vídeos.

Com a solicitação e parceria do polo de apoio presencial de Itaqui - UAB/CAPES, os professores participantes do projeto produziram um ciclo de oficinas multilinguagens, em uma escola da rede estadual desta cidade. Iniciando assim o projeto de extensão Oficinas Multilinguagens para a Educação Básica, que está em rede com o LVM e demais projetos do LAM, envolvendo participantes de todas as áreas de conhecimento e de todos os níveis de ensino.

Por iniciativa dos alunos do Curso de Licenciatura em Matemática a Distância – CLMD, em 2014, surgiu o GEPAM - Grupo de Estudos e Iniciação à Pesquisa na Área da Matemática, mais de oitenta municípios estiveram envolvidos em uma rede de estudos e pesquisa, bem como com a extensão através da promoção de oficinas e palestras. Este projeto de ensino promoveu a produção textual e a melhora no desempenho dos participantes, mediante rotinas de estudo periódicas e orientadas. É uma teia no sentido de ser articulado por um bolsista na sede, e por haver trocas através das diferentes redes sociais. Busca, também, através dos estudos aprofundados e da compreensão de assuntos voltados à matemática, diminuir a retenção/reprovação e a evasão, principalmente pela particularidade do curso ser ofertado por demanda. Estudantes de outros cursos presentes nos polos de apoio presencial e que tem interesse no ensino e aprendizagem de Matemática participam do GEPAM.

O GEFDDIM - Grupo de Estudos em Formação Docente a Distância em Matemática é composto por professores de estágio do CLMD e estuda questões voltadas às práticas docentes em Educação a Distância, particularmente em Matemática. Em 2014 este grupo estudou questões referentes ao Ensino Médio Politécnico, desenvolvendo um projeto de pesquisa Ensino Médio Politécnico no RS: um olhar a partir experiência de orientadores e coorientadores de estágio do CLMD. Em 2016 foi aprovado o projeto de pesquisa Análise de estratégias utilizadas por professores da Educação Básica e estudantes de licenciaturas referentes à resolução de situações envolvendo Estruturas Multiplicativas, no qual professores de escolas parceiras, estudantes e outros interessados participarão.

Ainda ligado ao Laboratório Multilinguagens temos as atividades de extensão, ensino e pesquisa desenvolvidas pelos alunos PET (Programa de Educação Tutorial) vinculado ao Grupo de Ação e Pesquisa do Curso de Licenciatura em Pedagogia a Distância – CLPD, que dentre suas múltiplas atividades desenvolve um ciclo de cinema nos municípios polo da UAB/RS.

O PIBID do curso de Filosofia utiliza a sede do LAM para suas reuniões, estabelecendo ali suas metas e ações.

O LAM também possui projetos de pesquisa, ensino e extensão articulados com o cotidiano do Curso de Licenciatura em Educação do Campo, CLEC. Um deles é o programa de extensão Redes Colaborativas de Educadores Infantis de Escolas do Campo e Rururbanas (RCEIECR) nasceu da necessidade de articular, através de redes digitais orientadas de formação docente, as educadoras infantis e os acadêmicos de Licenciatura em Educação do Campo EAD (CLEC), dos municípios polos UAB/UFPel. O trabalho, vinculado a uma proposta de investigação ação educacional emancipatória, foi fruto da crescente articulação dos discentes do referido curso com a realidade concreta das escolas infantis do campo e rururbanas, dos polos envolvidos nas atividades de pesquisa e práticas de ensino do curso e nas atividades de estágios não obrigatórios. Com atividades ancoradas no tripé ação investigação ação a proposta envolveu os acadêmicos do curso de Educação do Campo de forma ativa, pois a ação deles era fundamental para o estabelecimento das redes digitais de formação continuada.

Tal programa possibilitou uma aproximação do LAM com o Núcleo do Folclore da UFPel. Essa aproximação resultou na criação do projeto de Oficinas de Brincadeiras Folclóricas, que é uma parceria entre o LAM e o Núcleo de Folclore da UFPel. Todos os anos essa proposta tem seu ápice na Semana de Folclore da UFPel. O objetivo desse projeto é envolver alunos dos cursos de Licenciatura em Educação do Campo EAD, Pedagogia presencial e Dança Licenciatura em atividades com as crianças das redes de ensino de Pelotas e dos municípios polos atendidos pelos cursos UAB/UFPel através do mapeamento e resgate das brincadeiras tradicionais.

Já a proposta Museus Digitais: um meio de formação de professores da Educação do Campoiniciou em 2011, e foi posteriormente atrelada ao LAM tendo como meta a criação de museus digitais das comunidades do campo e rururbanas dos das regiões dos polos parceiros do CLEC no estado do Rio Grande do Sul. Busca-se, com isso, qualificar digitalmente acadêmicos do curso e professores de escolas do campo. O método adotado no projeto é o da investigação ação educacional. Os resultados esperados e apresentados pelos alunos ao longo dos anos são: criação de museus digitais para difusão dos contextos socioculturais e étnicos das regiões apontadas; capacitação digital de professores do campo.

Ao longo dos anos os acadêmicos do CLEC criaram diversos museus ancorados em Blogs, que tem auxiliado as escolas de suas regiões. A proposta também propiciou a criação de uma metodologia própria de trabalho, bem como materiais didáticos apropriados para orientarem essa metodologia.

Tal projeto produziu material que deu suporte para o eixo de Processos Educativos V do Curso de Educação do Campo, eixo esse que abordada a construção de categorias de estudo das relações sociais para trabalhar com os anos iniciais do Ensino Fundamental. Contribuiu também com suporte ontológico para o início do projeto de ensino Oficina Interdisciplinar de Mapas e maquetes na Educação Infantil e para o projeto de pesquisa Cultura Litorânea do RS: semelhanças e diferenças entre comunidades da orla da lagoa e comunidades da orla marítima.

A Figura 1 aponta a rede de projetos vinculados ao LAM, seus parceiros e ações em ensino, pesquisa e extensão.  Os projetos propostos por um curso geralmente tem vínculo com projetos de outros cursos, tanto pelo uso do laboratório quanto pela proposta de agregar ações nos polos de apoio presencial e na sede.  Existem intersecções entre os cursos nos projetos e programas.


lam

Figura 1 – rede de projetos e programas vinculados ao LAM


Como pode ser observado na Figura 1, cada um dos projetos e programas confere ao LAM o status de agregador, e ao mesmo tempo, como espaço de laboratório de ensino e aprendizagem multilinguagens, que atua concretamente nas comunidades, coletando dados, atuando em conjunto e retornando com produtos, respostas ou questionamentos para outras ações de ensino, pesquisa e extensão, fazendo desta articulação uma rede de conhecimento entre a universidade e as comunidades com as quais a primeira interage.

7. Considerações Finais

A criação do Laboratório Multilinguagens através do programa LIFE/CAPES proporcionou para os cursos de licenciatura na modalidade a distância da Universidade Federal de Pelotas um laboratório no qual os professores pudessem interagir com seus alunos de forma mais adequada, bem como para todos os cursos proponentes do projeto um local onde pudessem ser planejadas, realizadas e avaliadas ações de formação docente. O LAM pode ser chamado de laboratório didático e atua de forma multidisciplinar.

A concepção observada nos projetos do LAM vai ao encontro da perspectiva assinalada no Projeto Pedagógico Institucional da UFPel, no sentido de trabalhar em ensino, pesquisa e extensão, promovendo ações e ambientes de aprendizagem vinculados as comunidades de atuação dos estudantes, através de um ciclo de experiências de transformação de saberes e fazeres.